Resenha: E não sobrou nenhum - Agatha Christie #MeuDesafioLiterário


Título do livro: E Não Sobrou Nenhum
Autor(a): Agatha Christie
Editora: Globo Livros
Número de páginas: 324
Sinopse: Uma ilha misteriosa, um poema infantil, dez soldadinhos de porcelana e muito suspense são os ingredientes com que Agatha Christie constrói seu romance mais importante.

Na ilha do Soldado, antiga propriedade de um milionário norte-americano, dez pessoas sem nenhuma ligação aparente são confrontadas por uma voz misteriosa com fatos marcantes de seus passados.

Convidados pelo misterioso mr. Owen, nenhum dos presentes tem muita certeza de por que estão ali, a despeito de conjecturas pouco convincentes que os leva a crer que passariam um agradável período de descanso em mordomia. Entretanto, já na primeira noite, o mistério e o suspense se abatem sobre eles e, num instante, todos são suspeitos, todos são vítimas e todos são culpados.


É neste clima de tensão e desconforto que as mortes inexplicáveis começam e, sem comunicação com o continente devido a uma forte tempestade, a estadia transforma-se em um pesadelo. Todos se perguntam: quem é o misterioso anfitrião, mr. Owen? Existe mais alguém na ilha? O assassino pode ser um dos convidados? Que mente ardilosa teria preparado um crime tão complexo? E, sobretudo, por quê?


São essas e outras perguntas que o leitor será desafiado a resolver neste fabuloso romance de Agatha Christie, que envolve os espíritos mais perspicazes num complexo emaranhado de situações, lembranças e acusações na busca deste sagaz assassino. Medo, confinamento e angústia: que o leitor descubra por si mesmo porque E não sobrou nenhum foi eleito o melhor romance policial de todos os tempos.

Resenha: Durante um bom tempo, a misteriosa Ilha do Soldado vem sendo alvo de especulações e fofocas. Afinal, o território paradisíaco foi comprado por alguém de identidade desconhecida e coube aos jornais locais a formulação de inúmeras teorias a respeito.

 Até que um dia, dez pessoas distintas são chamadas para passar uma semana no local. Cada uma vai com um objetivo diferente, mas possuem duas coisas em comum: ninguém sabe quem os trouxe até ali, afinal o responsável se esconde pelo pseudônimo de Mr. Owen e todos já foram mandantes e/ou responsáveis por um crime. 

"Obviamente, quase sempre esses lugares acabavam ficando muito baratos. Ilhas não são para todo mundo. Todos acham a ideia romântica, mas, quando vão morar ali, percebem as desvantagens e ficam felizes em vender a casa."

 Hospedados num casarão, logo após o primeiro jantar, uma voz ao gramofone anuncia os nomes dos hóspedes e seus crimes hediondos. Um clima de tensão se instaura no ambiente, seguido da primeira morte.

 Pensando não se tratar de uma infeliz coincidência, logo percebem que tudo faz parte de um plano maligno desse tal Mr. Owen, e que o sujeito só pode estar entre eles na casa. Uma vez que, a ilha se encontra longe da civilização e de qualquer contato com o mundo exterior. Um poema infantil sobre dez soldadinhos que adquirem trágicos finais é o condutor dessa narrativa, repleta de mistério e teorias.

" [...] Um soldadinho fica sozinho, só resta um;
Ele se enforcou,
E não sobrou nenhum."

 'E não sobrou nenhum' foi o primeiro livro que li da Agatha Christie, e não poderia ter feito escolha melhor. Logo no início da leitura, somos apresentados aos integrantes da trama o que gera uma leve confusão. Todos tem nomes difíceis, personalidades distintas e foram levados à ilha por diferentes razões. 

 O que pode gerar um leve desconforto para o leitor, principalmente porque o narrador é observador e demora um tempo para diferenciar quem é quem. Mas é mais uma questão de costume, e embarcamos junto com eles numa viagem sem volta à Ilha do Soldado.

"Havia qualquer coisa de mágico numa ilha - a simples palavra sugeria fantasia. Perdia-se o contato com o mundo - uma ilha era um mundo próprio, um mundo à parte. Um mundo, talvez, do qual nunca poderemos regressar.

 Os oito soldadinhos hóspedes, se instalam na mansão de Mr. Owen e conhecem o casal responsável pela limpeza e organização. Eles também não viram o patrão pessoalmente, e diz que receberam ordens dele por carta.

 Após o primeiro jantar, uma gravação num gramofone é soada, e uma voz distinta lê o nome de todos em voz alta e anuncia os seus crimes. Todos ali tiveram uma participação direta ou indireta com a morte de alguém, sendo esse fato o único que os assemelha.

"Muitos psicopatas homicidas são pessoas tranquilas e simples. Sujeitos sossegados e simpáticos até."

 E é quando a primeira pessoa morre, de acordo com o poeminha infantil, que eles percebem o risco que estão correndo e que a identidade de Mr. Owen deve ser revelada em breve, para evitar uma nova tragédia.

 Agatha mistura elementos religiosos e relações de poder numa narrativa macabra e tensa. Inúmeras teorias são criadas para serem derrubadas logo em seguida por mais uma morte repentina.

"Morto? Morto? Aquele jovem deus nórdico, no auge da saúde e da força. Fulminado num só instante."

 Apesar da leitura ter sido boa, ficam algumas ressalvas a respeito da revelação do assassino. Apesar de surpreendente, não ligou todos os pontos que eu imaginei que ligaria e que fariam sentido ao final. Para uma pessoa cometer tamanha atrocidade, é de se esperar que ela tenha um motivo muito bom e válido.

 Mas isso seria uma tentativa de humanizar um verdadeiro psicopata. Afinal, ninguém em sã consciência faria qualquer coisa que chegasse perto do que essa pessoa fez e a última coisa de que um assassino precisa é de um motivo para causar sofrimento. Talvez por ter sido um livro tão brilhante, eu acabei colocando as expectativas lá em cima para a grande revelação.

"Não podia conceber a ideia de querer morrer..
A morte era... para as outras pessoas..."

 É uma leitura incômoda, angustiante e que deixa o leitor pensativo e reflexivo sobre todos os acontecimentos. Mal posso esperar para ler mais da Agatha Christie, e com certeza vou me aventurar mais nos livros de mistério.

"É como se fôssemos brinquedinhos nas mãos de uma criança horrível, peças de um joguinho macabro. Tudo tem de se encaixar no poema."

 





14 comentários:

  1. Eu senti essa confusão com nomes e personagens lendo A Mulher da Cabine 10.
    O primeira livro de Agatha Christie que li foi Assassinato no Expresso Oriente e gostei muito, tanto que depois coloquei vários outros livros dela na minha wishlist, inclusive E Não Sobrou Nenhum. Se você quiser se aventurar no gênero investigativo, te indico os livros da série Detetive Foster ;)
    Amei a resenha!
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  2. Oi, Laura! Você começou muito bem ao ler este livro. Eu já li bastante livros da "Rainha do Crime" e, este aí é um dos melhores que li. Você irá adorar os outros livros dela. Sua resenha ficou excelente, parabéns! Abraço!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá Laura,
    Adoro os livros da Agatha e esse sem dúvida foi um dos melhores que já li. Com certeza foi uma ótima primeira escolha.

    Beijo!
    www.amorpelaspaginas.com

    ResponderExcluir
  4. Oiii Laura, tudo bom?

    Eu li esse livro há alguns anos, foi minha primeira leitura da Agatha e eu gostei demais na época, lembro que a revelação do assassino me pegou de surepresa, porque tinha uma reviravolta bacana no final. Realmente, alguns detalhezinhos não ficam explicados, mas a trama em si prende bastante.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  5. AHH, minha primeira leitura da Agatha foi O Assassinato no Expresso Oriente e foi: incrível! Li mais dois dela, acredito, só que parei e não voltei rs Quero um dia retomar! Desse livro, eu assisti a adaptação em série de TV, eu AMEI. É da BBC e talvez encontre em algum torrent por aqui rs Gostaria de ler o livro, claro, me pareceu bem adaptado (pela minha perspectiva da série), de acordo com sua descrição da narrativa. Eu acho os enredos dela super envolventes, então, já está na lista de desejados <3

    https://monautrecote.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Laura,
    Só com a sinopse já fiquei com vontade de ler o livro,
    ainda não li nada da Agatha mas tenho muita vontade,
    e esse já virou um dos meus desejados.

    Bjssss
    https://pensamentossoavento.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi Lau, tudo bem?
    Eu amoooo esse livro, é um dos meus favoritos da vida. Foi também minha primeira experiência com a Agatha e eu não poderia ter achado mais genial. Concordo sobre a revelação do assassino não ter sido o ponto alto, mas o resto foi tão envolvente que nem consegui me incomodar hahaha! Ah, fica a dica: tem uma minissérie da BBC fantástica que adapta o livro.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  8. Oi Laura, tudo bem?

    Li muito os livros da Agatha durante a minha adolescência, e sempre gostei da forma como ela constrói a narrativa. Fica muito a cargo da nessa imaginação e poder de dedução o que é ótimo, principalmente quando nossas teorias estão certas (rs...). Lendo sua resenha fiquei com saudades da escrita da autora.

    Beijos;*
    Ariane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  9. A Agatha é perfeita em tudo que escreve, ainda não li este, mas adorei a sua resenha. Aliás, enquanto eu lia eu lembrei de um filme da netflix "mistério no mediterrâneo" ou algo assim, é de comédia, mas tem uma proposta parecida hahaha ótima resenha!

    Beijos
    http://www.leiapop.com/

    ResponderExcluir
  10. Oi, Laura

    Minha primeira experiência com a escrita da autora foi através de Assassinato no Expresso do Oriente e só de lembrar já sinto vontade de bocejar. O detetive resolve tudo com a bunda sentada na cadeira, o que por um lado é interessante, pois revela que ele é muito perspicaz, mas por outro lado quase me matou de tédio. Por essa experiência ruim eu peguei trauma e não li mais nada da autora desde então.
    Pretendo tentar ler outro no futuro para ver se essa má impressão vai embora e pode ser que seja E Não Sobrou Nenhum. Só de não ter o Poirot é um grande avanço, e também bate aquela curiosidade para saber quem é esse Mr. Owen.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  11. Só de ler essa resenha já fiquei aqui angustiada hahaha. Mas esses livros despertam uma curiosidade, né? Quero ler algo da autora, desde que a Sophie Kinsella (quando ela veio na Bienal do Rio) disse que salvaria os livros dela caso tivesse um incêndio na biblioteca dela hahaha. Mas não sei se aguentaria ler, pelo menos no momento, esse. E sobre colocar expectativa... Mega te entendo! Faço muito isso também. Mas pelo menos foi um livro que despertou interesse em outros da Agatha. :)

    Beijos, Carol
    www.pequenajornalista.com

    ResponderExcluir
  12. Mulher quer ver eu doida é quando tem todo um mistério sobre algo hahahaha nunca li mas acho que adoraria!

    Beijos,
    www.tammycezaretti.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olá...
    Fico feliz que tenha gostado tanto assim do livro e ainda desejado ler mais livros da autora e do gênero. É sempre muito bom se permitir ler coisas novas, né?
    Ainda não li nada da autora, mas tenho 3 livros dela aqui em minha estante... Espero ler em breve!
    Beijos

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Agatha Christie é sempre maravilhosa! Recomendo O Assassinato de Roger Akroyd, meu livro favorito dela

    ResponderExcluir

Oba! Leu o post e quer comentar? Fico muito feliz em saber! Não se esqueça de deixar o link do seu blog e/ou site para que eu possa retribuir.
Comentários como "Amei seu blog, sdv?" serão ignorados! Leia o post e seja gentil ♥