Resenha: O Duque e Eu - Julia Quinn #MeuDesafioLiterário


Título do livro: O Duque e Eu
Autor(a): Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 288
Sinopse: Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas.

Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível.

É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo. Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga.

A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta.

Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida.

Primeiro dos oito livros da série Os Bridgertons, O duque e eu é uma bela história sobre o poder do amor, contada com o senso de humor afiado e a sensibilidade que são marcas registradas de Julia Quinn, autora com 10 milhões de exemplares vendidos.
Resenha: Em O Duque e Eu, acompanhamos a história de Daphne Bridgerton e Simon Basset. O Duque de Hastings sempre quis ter um herdeiro, e ficava cada vez mais frustrado quando as gestações de sua mulher não vingavam.
 
 Até que ela consegue ficar grávida mais uma vez e Simon nasce. O homem não poderia ficar mais feliz! Afinal, finalmente tinha um herdeiro e o legado de Hastings não estava perdido. Sua esposa acaba morrendo no parto, e Simon fica aos cuidados de uma ama.

 Mas o garoto cresce com um problema de fala, e com 6 anos de idade não conseguia pronunciar nada inteligível. Fato que fez com que seu pai odiasse o menino, e passasse a viver longe dele. Afinal, o considerava um tremendo idiota e incapaz de cuidar dos negócios da família.

"Se não podia ser o filho que o pai queria, então seria exatamente o oposto."

 Mas, Simon se esforça e se dedica cada vez mais a falar corretamente, com o objetivo de conquistar o amor e respeito de seu pai. E apesar de seus esforços, o Duque de Hastings continua desprezando o menino e nega chamá-lo de filho.

 Apesar da gagueira, Simon cresce e se torna um belo homem. Seu pai vem a falecer, e o novo Duque de Hastings promete a si mesmo que jamais irá cometer os mesmos erros do pai. Aliás, ele faria de tudo para que o legado do pai se perca e vá parar nas mãos de um primo distante.

 Paralelamente, somos apresentados à Daphne Bridgerton. Sua mãe, Violet, está tentando a todo custo casar a moça o que vem se tornando uma difícil missão. Não que Daphne não seja agradável ou bonita, é que nenhum pretendente até o momento despertou seu interesse. Ela não espera um grande amor, apenas um marido que possa suportar e construir uma grande família.

" - A maioria das pessoas me considera um exemplo de gentileza e amabilidade.
- A maioria das pessoas é tola - disse Simon de forma abrupta."

 É nesse contexto que ela e Simon se conhecem e acabam por bolar um plano: um falso cortejo. Assim, Simon se livra das mães de moças solteiras da sociedade e Daphne atraí a atenção de mais pretendentes. Afinal, se a moça conseguiu a atenção do Duque de Hastings, é porque tem algo de especial.

 Mas o destino tem outros planos para os dois e é aí que as coisas se complicam. Como Daphne e Simon poderiam dar certo se almejam coisas tão diferentes para si? Simon não quer se casar, e Daphne deseja ter uma grande família. É quando os traumas do passado vem à tona, que os dois vão ter de decidir se o amor vai falar mais alto ou vão por tudo a perder.

 Com uma escrita envolvente, Julia Quinn conduz o leitor por meio de uma narrativa repleta de intrigas e fofocas da alta sociedade londrina. De um lado temos o novo Duque de Hastings, um homem charmoso e solteiro que atraí todos os olhares das damas e de suas mães casamenteiras.

" - As mães da sociedade, seu tolo. Aqueles dragões cuspidores de fogo que têm filhas em idade de casar, que Deus nos ajude. Você pode fugir, mas é impossível se esconder elas. E devo alertá-lo para o fato de que a minha é a pior de todas."

 Do outro temos a grande família Bridgerton: A condessa Violet e seus 8 filhos, entre eles Daphne Bridgerton, que está em sua segunda temporada e não tem grandes esperanças de arrumar um pretendente decente.

 Temos também um mistério na leitura, sobre a identidade de Lady Whistledown. A mulher escreve fofocas e mexericos para um jornal local, e sabe de tudo e de todos. O que preocupa cada vez mais a população, afinal, nenhum segredo é encoberto.

 Entretanto, eis aqui o meu problema com os romances de época: tudo gira em torno de bailes, casamentos e filhos. Não posso de maneira nenhuma dizer que é um livro ruim. A escrita da Julia utiliza uma linguagem simples e rápida, fazendo com que eu terminasse a leitura em apenas um dia!


"Dizer que os homens podem ser teimosos como mulas seria um insulto às mulas.
- CRÔNICAS DA SOCIEDADE DE LADY WHISTLEDOWN,
2 DE JUNHO DE 1813"

 Mas, acho toda a temática de época muito chata e tenho cada vez mais certeza de que nasci no ano certo. Juro que se eu tivesse que participar de alguma temporada e aturar pretendentes cada vez mais insuportáveis, eu iria querer morrer!!

 A dinâmica entre Daphne e Simon no início é muito boa. Os dois tem muita química juntos e é divertido acompanhar o compromisso falso entre eles. Mas tudo desanda quando eles acabam se casando.

 Há uma cena extremamente polêmica no livro (que me incomodou sim), mas que remete muito ao período histórico descrito. O papel da mulher era ser uma boa esposa e mãe. Não existiam opções ou alternativas, era isso e ponto.

"Daphne seria sua. Ela sabia de seus defeitos, tinha consciência do que ele não poderia lhe dar, e ainda assim o havia escolhido."

 Apesar de não ter gostado do casal, tiveram dois itens (ou melhor, personagens) durante a leitura que me animaram a continuar com a série:

1 - Lady Whistledom: Amei essa personalidade de identidade oculta, que gosta de uma boa fofoca e não tem papas na língua! E 2 - Anthony Bridgerton: O Bridgerton mais velho é extremamente maravilhoso, e fiquei empolgada em conhecer a história dele!

"O ódio que Simon nutria pelo pai era claramente muito mais forte do que qualquer amor que pudesse vir a sentir por ela."

 Em resumo, O Duque e Eu é uma boa leitura para quem gosta de temáticas parecidas. Para o primeiro dia do #MeuDesafioLiterário, escolhi o gênero Romance de Época, porque é o que eu menos leio e tenho menos afinidade.

 Entre um romance histórico e uma distopia eletrizante, eu sempre vou preferir a distopia porque não aguento uma leitura inteira sobre bailes glamorosos e cortejos. Pra mim, é muito tedioso! Mas a experiência foi válida, e pretendo ler o segundo livro da série de Os Bridgertons, para obter uma opinião mais conclusiva.

"O duque de Hastings. Nesse momento, Daphne entendeu que seria uma tola se não se apaixonasse por ele.
É claro que seria bom se fosse recíproco."
 




15 comentários:

  1. Olá, Laura.
    Isso que é legal entre os leitores cada um tem um gosto. Eu particularmente amo romances de época e amei esse livro. Foi ele que me tirou de uma ressaca literária de duas semanas hehe. Mas espero que goste dos outros.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Oi, Laura! Menina o seu ponto de vista sobre romance de época é o mesmo que o meu. O gênero literário que quase não leio é exatamente este, romance de época. Eu particularmente acho bastante tedioso toda essa questão de bailes e tudo o mais. Eu já li poucos livros de Julia Quinn por este motivo, ela basicamente só escreve este tipo de literatura, embora já tenha escrevido outros, mas é muito pouco, ela gosta mesmo é de romance de época. Que bom que a leitura lhe agradou, mesmo que não totalmente. Amei sua resenha, ficou incrível. Parabéns! Espero que goste da continuação. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá, Laura

    Eu ri aqui de você falando que tem certeza de que nasceu na época certa. hahahaha Pois eu ia adorar participar das temporadas, ia amar cada baile, sarau, chás da tarde e afins. hahahaha
    Tenho um grande carinho por esse livro e até comprei a nova edição de luxo. Foi ele que me apresentou a este gênero maravilhoso.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  4. Olá....
    Eu adoro ler sobre bailes glamorosos e cortejos hahaha... Mas, enfim é como sempre digo, o mais legal da leitura é essa variação de opiniões entre os leitores.
    Ainda não li essa famosa série da Julia, mas já li outros livros dela e amei.
    Parabéns pela resenha!
    Beijos

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi Laura!!

    Acho incrível essa questão de gosto de cada um!! Enquanto você não curti muito os romances de época, eu sou apaixonada! hehe
    Mas o Duque e Eu também não me deixou 100%! Apesar de gostar muito do estilo, e adorar esse mundo de bailes, cortejos e afins, senti que faltou algo, falto aquele algo mais, e agora que você falou no "casal" eu enxerguei o porque, foi o casal que não convenceu mesmo!
    E como você, me encantei por outros personagens secundários desse primeiro livro, como os irmãos, (Anthony, Benedict e Collin) então com certeza acompanharei o restante da série para ver como desenrola com os demais...

    Parabéns pela sinceridade das opiniões! ;)

    Adorei seu blog!
    Beeijo!!!

    htpp://estanteflordelis.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Eu nunca li algo da Julia, mas sempre ouvi falarem muito bem dela e desse livro em específico. Eu gosto de romance de época, mesmo com todos os 'frus-frus' desnecessários que às vezes o enredo precisa narrar, porque né, era o que acontecia na época, eu particularmente gosto da vibe histórica. Mas entendo quem não goste rs Uma distopia eletrizante também é bem interessante <3

    https://monautrecote.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi, Laura!

    Ahh que pena que você não curte romances de época :( acho que eu também não curtiria viver como eles, bailes de temporada, o pensamento antiquado, maas pra ler eu gosto bastante sim hahah esse livro em especial foi o primeiro que li do gênero e simplesmente amei!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Oi, Laura!
    Adoro quando encontro resenhas completas assim.
    Eu nunca li a Julia Quinn, mas sempre ouço todo mundo falando muito bem. :)

    Um beijo,
    Fernanda Rodrigues | contato@algumasobservacoes.com
    Algumas Observações
    Projeto Escrita Criativa

    ResponderExcluir
  9. Oi, Laura
    Eu sou igual ao você. Definitivamente também nasci na época certa pois não teria paciência para diversos bailes e tudo que envolve essa época. porém estou com muita vontade de ler algo da autora pois vejo diversas resenhas positivas sobre suas histórias. Amei sua resenha.

    Beijinhos!
    https://focadasnoslivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Oi, Laura
    Esse foi o primeiro livro que li do gênero de época, e eu amo. Eu sei que tem essa cena em específico que na época não me incomodou porque eu entendi o contexto que ela foi desenvolvida, mas se caso eu lesse hoje, talvez não gostasse também. Só sei que gosto muito da Daphne e do Simon, mas meu casal favorito é Benedict e Sophie.
    Beijo!
    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi Laura,
    Também não sou muito de ler romance de época,
    porém esse ano quero dar um chance para esse gênero.
    Adorei a resenha, e espero que os outros livros possam te prender mais.

    Bjssss
    https://pensamentossoavento.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Até hoje ainda não consegui ler nenhum livro da saga, preciso tomar uma atitude urgente haha
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  13. Laura! Acho que já te falei lá no Insta, mas essa foi uma das leituras que me incentivou a ler mais romances de época hahaha. Hoje eu adoro esse gênero! Mas super entendo o seu ponto de vista. Algumas situações dão raiva mesmo. Mas o importante é que você se abriu para o novo e isso sempre é válido. Tenta ler outros, inclusive, da Julia Quinn. Tem uma duologia que eu amo muito: Agentes da Coroa. O primeiro "Como agarrar uma herdeira" é incrível. Enfim, ansiosa pelos próximos desafios! ♥

    Beijos, Carol
    www.pequenajornalista.com

    ResponderExcluir
  14. Eu fujo dos romances de época pelos mesmos motivos que você: tudo se resume a bailes, casamentos e "o que a sociedade vai pensar". Parece que eles não sabiam fazer mais nada da vida... e haja verba pra fazer tanto baile... rsrs
    Mesmo assim, esse parece ser um começo promissor para a série tão aclamada da Julia. Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

    ResponderExcluir
  15. Olá,
    Já eu adoro os romances de época. Também tenho a certeza que nasci na época certa, mas acho um tipo de história boa para me distrair. Questão de gosto mesmo haha
    Mas acho muito legal isso, o quanto os gostos mudam, mas nem sempre as opiniões são diferentes. Vale tentar conhecer novos tipos de leitura e se não for bom, vamos para outra.

    Beijo!
    www.amorpelaspaginas.com

    ResponderExcluir

Oba! Leu o post e quer comentar? Fico muito feliz em saber! Não se esqueça de deixar o link do seu blog e/ou site para que eu possa retribuir.
Comentários como "Amei seu blog, sdv?" serão ignorados! Leia o post e seja gentil ♥